Loja Biovip de

Conheça as principais doenças reumáticas

Conheça as principais doenças reumáticas

Ao conjunto de patologias que afetam o sistema musculoesquelético damos o nome de doenças reumáticas. Estas são bastante prevalentes nos países desenvolvidos e são frequentemente causa de incapacidade laboral temporária e de reforma antecipada por invalidez.

Englobam doenças inflamatórias, degenerativas e metabólicas, podendo ser agudas, crónicas ou recorrentes e afetar pessoas de todas as idades.

Neste dia em que assinalamos o Dia Mundial das Doenças Reumáticas, é importante relembrar os fatores de risco, os sinais de alerta e, ainda, as medidas a adotar para zelar pelo bem-estar dos nossos ossos, músculos e articulações.

Sinais de alerta das doenças reumáticas

Cada doença reumática apresenta diferentes fatores de risco associados, de acordo com a sua etiologia, ainda assim, existem condições ou comportamentos transversais a todas elas que, por constituírem um risco para a saúde, vão influenciar negativamente o desenvolvimento de problemas ao nível do sistema musculoesquelético.

Assim sendo, o sedentarismo, a má alimentação, a obesidade, o tabagismo e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas contribuem para o desenvolvimento de doenças reumáticas.

Também a idade é um importante fator de risco, já que estas patologias são mais comuns em pessoas mais velhas, devido ao desgaste crónico ósseo, muscular e articular.

Quanto aos sinais e sintomas, também eles são específicos para cada doença, no entanto, há manifestações comuns à maioria delas, como:

  • Dor
  • Limitação dos movimentos
  • Fadiga
  • Falta de energia
  • Calor e inchaço das articulações
  • Rigidez articular/muscular/óssea
  • Sensação de fraqueza

As doenças reumáticas mais comuns

Existe um grande leque de patologias e alterações que afetam os nossos ossos, músculos e articulações, estando englobadas no mundo da reumatologia, mais de 100 doenças. Neste artigo, abordamos as mais prevalentes nos dias de hoje.

Osteoartrite

A osteoartrite é a doença degenerativa articular mais comum, afetando mais de 25% da população adulta. Nesta patologia ocorre perda e destruição progressiva da cartilagem articular, espessamento do osso subcondral e a formação de osteófitos (vulgarmente chamados de bicos de papagaio). Além disso, também se verificam diferentes níveis de inflamação da membrana sinovial, degeneração dos ligamentos e do menisco do joelho e hipertrofia da cápsula articular.

Esta doença é bastante prevalente acima dos 50 anos, no entanto, pode também afetar pessoas mais jovens que tenham sofrido lesões articulares ou que apresentem uma estrutura anormal ou alguma anomalia genética.

Artrite Reumatoide

A artrite reumatoide é uma doença inflamatória sistémica e crónica que afeta predominantemente as mulheres e que pode surgir em qualquer idade, tendo um pico de incidência entre os 20 e os 60 anos. Tratando-se de uma doença autoimune, estamos perante uma desregulação do sistema imunitário que vai produzir anticorpos que atacam células do próprio organismo.

O sintoma mais proeminente é a dor e inchaço essencialmente das mãos, pulsos, pés e joelhos, sendo que algumas pessoas podem inclusive apresentar manifestações noutros órgãos como pulmões, coração ou intestinos.

Osteoporose

A osteoporose é a doença óssea mais comum e caracteriza-se por uma baixa massa óssea, deterioração do tecido ósseo e alteração da sua microestrutura, podendo levar a um comprometimento da força óssea.

Esta é geralmente silenciosa, até que ocorra uma fratura, que pode causar sérios problemas de saúde secundários. A osteoporose pode então levar a uma diminuição da qualidade de vida e dos anos de vida ativos do indivíduo, podendo afetar pessoas de ambos os sexos e de todas as raças.

Fibromialgia

A fibromialgia é uma condição que se caracteriza por dor crónica muscular generalizada, mas sem evidência de inflamação nos locais de dor. A dor leva ao aparecimento de sintomas como distúrbios do sono, cansaço, distúrbios do humor, ansiedade e depressão. Muitos doentes queixam-se ainda de alterações na concentração e memória.

Ainda não está totalmente esclarecida a causa desta patologia, mas pensa-se que os doentes com fibromialgia apresentem uma alteração ao nível da perceção da dor. Alguns deles desenvolvem a condição após um gatilho, como uma dor localizada não tratada, um trauma físico ou uma doença grave.

Gota

A gota é uma doença inflamatória que se caracteriza pelo aumento da concentração de ácido úrico no sangue, levando à deposição de cristais nos tecidos, principalmente nas articulações. Isto causa inflamação e, consequentemente, dor e inchaço.

Inicialmente manifesta-se com ataques recorrentes de artrite aguda, sendo que o quadro clássico consiste em dor intensa que frequentemente começa de madrugada. Embora qualquer articulação possa ser afetada, as articulações dos membros inferiores são aquelas que mais aparecem envolvidas aquando da primeira crise de gota.

Como preservar os ossos e articulações e reduzir os sintomas?

Existem várias medidas que podemos adotar para prevenir ou reduzir os sintomas de algumas doenças reumatológicas, como:

  • Exercício físico regular, como aeróbica, caminhada, natação, hidroginástica, ioga e pilates que, além de reduzirem a fadiga e a intensidade das dores, promovem a flexibilidade muscular. É importante não esquecer de alongar sempre antes e após o exercício para evitar lesões.
  • Limitar o consumo de álcool e tabaco, especialmente na artrite reumatoide, já que foi observado um risco elevado da doença em ex-fumadores.
  • Manter uma dieta equilibrada que garanta um aporte adequado de proteínas, vitaminas, cálcio e outros micronutrientes ajuda na prevenção de algumas doenças reumáticas. Já no caso da gota, deve evitar-se o consumo de alimentos ricos em purinas como a carne, vísceras, marisco, salmão, truta e sardinhas. Uma boa hidratação também é essencial para o bem-estar geral.
  • Controlar o peso corporal contribuiu para a saúde das articulações, já que a obesidade provoca stress nas mesmas, aumentando o seu desgaste. Além disso, ao dificultar os movimentos, incentiva ao sedentarismo.

Ingredientes essenciais para o bem-estar ósseo, muscular e articular

  • A vitamina D contribui para a manutenção do normal funcionamento muscular. Além disso, contribui para a homeostasia do cálcio e fósforo, influenciando a mineralização óssea. De forma a estimular a produção desta vitamina, é recomendada a exposição solar diária entre 15 a 20 minutos, aliada à ingestão de alimentos ricos em vitamina D, como o salmão. Em casos específicos, a suplementação é necessária para suprir as necessidades nutricionais do organismo.
  • O cálcio, também é essencial para o normal funcionamento muscular e para a manutenção de ossos normais, já que está diretamente envolvido na formação e renovação da massa óssea. A ingestão de alimentos ricos em cálcio, como os laticínios, é fundamental em qualquer idade. Como complemento pode ser aliado um suplemento rico em cálcio, quando a alimentação não é suficiente.
  • A glucosamina e a condroitina são dois dos componentes estruturais da cartilagem articular, essenciais na matriz extracelular na mesma e produzidos pelo organismo. Não existem fontes alimentares destas substâncias, já que elas estão maioritariamente presentes no exoesqueleto de marisco. Em situações de osteoartrite ou outras doenças articulares pode ser interessante a toma de um suplemento alimentar, de modo a reforçar as suas quantidades no organismo.
  • O colagénio, tal como as substâncias anteriores, está presente na composição da cartilagem articular. É uma proteína que confere flexibilidade aos tecidos conjuntivos como ossos e tendões. Em casos específicos de osteoartrite, em que existe uma deterioração da cartilagem, o aumento do seu aporte poderá contribuir para o reforço articular. As carnes vermelhas, o frango e o peixe são alimentos que contam com colagénio na sua composição. A ingestão de alimentos ricos em vitamina c, selénio e zinco contribuem para síntese e absorção do colagénio. O seu aporte pode ser reforçado com o suplemento LiquidCollagen, em situações em que a dieta não é suficiente para suprir as necessidades do organismo.

É importante salientar que as doenças reumáticas não são sinónimo de dor para toda a vida. Como tal, cuide dos seus ossos, músculos e articulações e zele pela sua qualidade de vida!

Autoria: Beatriz Bonito | Farmacêutica
Referências Bibliográficas →


Produtos relacionados

Next →

Assine nossa newsletter e fique por dentro das novidades

Os cookies são importantes para oferecer um serviço online de melhor qualidade. Ao utilizar o nosso site está a concordar com a nossa política de privacidade e de utilização de cookies, saiba mais aqui.

Carrinho

Parece que o seu carrinho está vazio!

Olá,
Seu código Biovip

Escolha uma opção: